InícioSão JosemariaOpus DeiFiéis da Prelatura
São Josemaria
Prelatura pessoal

Fiéis da Prelatura

Etiquetas: Formação, Opus Dei, Vida corrente, Vocação cristã
Fiéis do Opus Dei

Quem faz parte do Opus Dei?

O Opus Dei é constituído por um presbitério ou clero próprio e leigos, tanto mulheres como homens.
Quem solicita a sua incorporação no Opus Dei é movido por um chamamento divino. É uma determinação específica da vocação cristã recebida com o baptismo e que leva a procurar a santidade no meio do mundo e a participar na missão da Igreja segundo o espírito que o Senhor inspirou a São Josemaria.
O chamamento divino para o Opus Dei é o mesmo para todos os seus membros: mulheres e homens, casados e solteiros, sacerdotes e leigos, doentes e sãos, das mais variadas condições sociais e das mais variadas profissões.

A maioria dos fiéis do Opus Dei (70%) são supranumerários. São homens e mulheres, na maioria casados, para quem a santificação dos deveres familiares é parte primordial da sua vida cristã.

Os restantes fiéis – numerários e agregados – vivem o celibato como um dom de Deus, por motivos apostólicos. Esta condição permite-lhes uma maior dedicação aos trabalhos apostólicos e às tarefas de formação dos outros fiéis do Opus Dei, sem modificar em nada a sua condição laical, a sua situação profissional, a sua posição na Igreja e na sociedade.
Algumas das numerárias, denominadas numerárias auxiliares, dedicam-se - de modo prioritário (não exclusivo) e normal (não necessariamente sempre) – com o seu trabalho profissional ao cuidado das tarefas domésticas dos centros do Opus Dei, para que as actividades de evangelização da Prelatura decorram no ambiente de uma família cristã.

Cada um segundo as suas circunstâncias

No Opus Dei não há diferentes categorias de membros, mas sim um único e idêntico fenómeno vocacional pelo qual todos os fiéis da Prelatura são e se sentem, em igual grau, membros de uma mesma porção do Povo de Deus. Existem modos diversos de viver a mesma vocação cristã, consoante as circunstâncias pessoais de cada um: solteiros ou casados, saudáveis ou doentes, etc.

«É realmente um grande ideal o vosso - dizia o Papa João Paulo II em 1979 - que desde os começos se antecipou à teologia do laicado, que veio a caracterizar a Igreja do Concílio e do pós Concílio. São estas a mensagem e a espiritualidade do Opus Dei: viver unidos a Deus no meio do mundo, em qualquer situação, lutando cada um por ser melhor com a ajuda da graça e dando a conhecer Jesus Cristo com o testemunho da própria vida».

Incorporar-se na Prelatura pessoal não implica mudança alguma de estatuto pessoal. Permanecem idênticos os direitos e deveres que se têm como membros da sociedade civil e da Igreja. «Os leigos que se incorporam na prelatura não modificam a sua condição pessoal, teológica ou canónica, de fiéis leigos comuns, e como tais se comportam em todas as suas actuações».

Os sacerdotes do Opus Dei

Os sacerdotes da prelatura provêm dos fiéis leigos do Opus Dei: numerários e agregados que, livremente dispostos a serem sacerdotes e depois de anos de pertença à prelatura e de realizar os estudos prévios ao sacerdócio, são convidados pelo prelado do Opus Dei a receber as ordens sagradas. O seu ministério sacerdotal realiza-se principalmente no serviço aos fiéis da prelatura e às actividades apostólicas promovidas por eles.

Que compromissos se adquirem no Opus Dei?

A incorporação no Opus Dei pressupõe, por parte da prelatura, o compromisso de proporcionar ao interessado uma formação assídua na fé católica e no espírito do Opus Dei, bem como o necessário atendimento pastoral por meio de sacerdotes da Prelatura. Por sua vez, os fiéis da Prelatura comprometem-se a procurar santificar-se e a fazer apostolado segundo o espírito do Opus Dei. Isto implica, principalmente, cultivar a vida espiritual mediante a recepção dos sacramentos, a oração, o exame de consciência, a leitura espiritual; a devoção à Santíssima Virgem e aos Anjos da Guarda. Para se identificarem com Jesus Cristo, praticam a penitência que os leva a oferecer sacrifícios e mortificações, especialmente as que facilitam o cumprimento do dever e tornam a vida mais agradável aos outros, bem como a renúncia a pequenas satisfações, o jejum e a esmola.

Os fiéis do Opus Dei recebem, através dos meios e actividades que a Prelatura proporciona, uma formação permanente na doutrina da Igreja e no espírito do Opus Dei, para levar a cabo a tarefa evangelizadora que a Igreja espera do Opus Dei.

Que proporciona o Opus Dei?

A Prelatura proporciona aos seus fiéis uma formação contínua através de meios concretos, compatíveis com o normal desempenho dos deveres familiares, profissionais e sociais de cada um. Os meios de formação da prelatura proporcionam aos seus fiéis a possibilidade de adquirir uma profunda e sólida piedade de filhos de Deus que leva a procurar a identificação com Cristo; um conhecimento profundo da fé e da moral católicas e, de acordo com a sua vocação, uma progressiva familiaridade com o espírito do Opus Dei.

Em virtude do carácter exclusivamente espiritual da sua missão, a prelatura não intervém nas questões temporais que os seus fiéis tenham de enfrentar. Cada um actua com completa liberdade e responsabilidade pessoais. O Opus Dei não faz suas as decisões dos seus membros. Os Estatutos indicam que, no que diz respeito à actuação profissional e às doutrinas sociais, políticas, etc., cada um dos fiéis da prelatura, dentro dos limites da doutrina católica sobre fé e costumes, tem a mesma plena liberdade que os outros cidadãos católicos. As autoridades da Prelatura devem mesmo abster-se totalmente de dar conselhos nestas matérias.

Alguns dados

Segundo o Anuário Pontifício de 2011, fazem parte da prelatura do Opus Dei cerca de 90 000 pessoas, dos quais cerca de 2 000 são sacerdotes. Do total de fiéis, cerca de metade são mulheres e a outra metade são homens.