São Josemaria
Textos de São Josemaria

Misericórdia e esmola

Etiquetas: Caridade, Generosidade, Jesus Cristo, Pobreza, Serviço, misericórdia, Papa Francisco
O Papa tem convocado algumas audiências especiais a propósito do Ano da Misericórdia. Na de 9 de abril lembrava que “a esmola é um aspeto essencial da misericórdia”.
Reproduzimos alguns textos de S. Josemaria que poderão ser úteis para rezar sobre este tema.

Texto da audiência de 9 de abril de 2016

Queridos irmãos e irmãs:

Um aspeto essencial da misericórdia é a esmola; mais ainda: o termo grego, donde deriva a palavra «esmola», significa precisamente misericórdia. E, como a misericórdia chega até nós por mil estradas, também de inúmeros modos a nossa esmola pode beneficiar o necessitado. Nesta categoria de necessitado, a Bíblia inclui os indigentes, os forasteiros, os órfãos e as viúvas. A esmola é um gesto de sincera solicitude por quem se aproxima de nós e nos pede ajuda; esta ajuda não deve ser prestada com alarde para sermos louvados pelos outros, mas no segredo onde só Deus vê e compreende o valor do ato realizado. Na verdade não é a aparência que conta, mas a capacidade de parar e fixar, olhos nos olhos, a pessoa que pede ajuda. Assim não devemos identificar a esmola com a oferta duma moedinha, dada à pressa para nos livrarmos de um pedinte, mas olhar a pessoa e deter-se a falar com ela, para se entender verdadeiramente o que ela necessita. A esmola deve levar consigo toda a riqueza da misericórdia. Lêem-se, no livro bíblico do Deuteronómio, estas palavras do Senhor: «Deves dar-lhe sem que o teu coração fique pesaroso» (15, 10.11). Isto significa que a esmola requer, antes de mais nada, uma atitude de alegria interior, pois – como disse Jesus – «a felicidade está mais em dar do que em receber».
Tenhamos sempre presentes na nossa vida as palavras do Senhor: «Há maior felicidade em dar do que em receber»
Tenhamos sempre presentes na nossa vida as palavras do Senhor: «Há maior felicidade em dar do que em receber»


Textos de S. Josemaria para meditar

Dá-lhe o que puderes dar
Dá pena ver como alguns entendem a esmola: uns tostões ou alguma roupa velha. Parece que nunca leram o Evangelho.
Não andeis com cautelas: ajudai as pessoas a formarem-se com a fé e a fortaleza suficientes para se desprenderem generosamente, em vida, daquilo que necessitam.
Aos comodistas, explicai-lhes que é pouco nobre e pouco elegante, mesmo do ponto de vista terreno, esperar pelo fim, quando forçosamente já não podem levar nada consigo.
Sulco, 26

Não acontece nada de especial, se um dia renuncias ao meio de transporte que usas habitualmente e dás como esmola a quantia poupada, ainda que seja muito pouco dinheiro. De qualquer modo, se tens espírito de desprendimento, não deixarás de descobrir ocasiões constantes, discretas e eficazes de o exercitar.
Amigos de Deus, 125

Regra geral, os homens são muito pouco generosos com o seu dinheiro - escreves-me. Conversas, entusiasmos buliçosos, promessas, planos. - À hora do sacrifício, são poucos os que "metem ombros". E, se dão, há-de ser com uma diversão de permeio - baile, rifa, cinema, serão - ou com anúncio e lista de donativos na imprensa.
- O quadro é triste, mas tem excepções. Sê tu também dos que não deixam que a mão esquerda, quando dão esmola, saiba o que faz a direita.
Caminho, 466

Não viste os fulgores do olhar de Jesus quando a pobre viúva deixou no Templo a sua pequena esmola? - Dá-Lhe tu o que puderes dar; não está o mérito no pouco nem no muito, mas na vontade com que o deres.
Caminho, 829

Nosso Senhor, com os braços abertos, pede-te uma constante esmola de amor.
Caminho, 404
"É preciso abrir os olhos , é preciso saber olhar à nossa volta e reconhecer esses chamamentos que Deus nos dirige através daqueles que nos rodeiam"

É preciso abrir os olhos
Pedi com ousadia ao Senhor este tesouro, esta virtude sobrenatural da caridade, para a exercitardes até ao último pormenor.
Nós, os cristãos, não temos sabido muitas vezes corresponder a esse dom; algumas vezes temo-lo rebaixado como se se limitasse a uma esmola dada sem alma, friamente; outras vezes temo-lo reduzido a uma atitude de beneficência mais ou menos convencional. Exprimia bem esta aberração a queixa resignada de uma doente: Aqui, tratam-me com caridade, mas a minha mãe cuidava de mim com carinho. O amor que nasce do Coração de Cristo não pode dar lugar a este tipo de distinções.
Amigos de Deus, 229

bem-aventurados os pobres em espírito, porque deles é o reino dos céus. Se desejas alcançar esse espírito, aconselho-te a que sejas sóbrio contigo e muito generoso com os outros. Evita os gastos supérfluos por luxo, por capricho, por vaidade, por comodidade...; não cries necessidades.
Amigos de Deus, 123

Compreende-se muito bem a impaciência, a angústia, os inquietos anseios daqueles que, com uma alma naturalmente cristã, não se resignam perante a injustiça individual e social que o coração humano é capaz de criar. Tantos séculos de convivência dos homens entre si, e ainda tanto ódio, tanta destruição, tanto fanatismo acumulado em olhos que não querem ver e em corações que não querem amar!
Os bens da Terra, repartidos entre muito poucos; os bens da cultura, encerrados em cenáculos...E, lá fora, fome de pão e de sabedoria; vidas humanas - que são santas, porque vêm de Deus - tratadas como simples coisas, como números de uma estatística! Compreendo e compartilho dessa impaciência, levantando os olhos para Cristo, que continua a convidar-nos a pormos em prática o mandamento novo do amor.
Cristo que passa, 111

É preciso abrir os olhos, é preciso saber olhar ao nosso redor e perceber os chamamentos que Deus nos faz através daqueles que nos rodeiam. Não podemos viver de costas para a multidão, encerrados no nosso pequeno mundo. Não foi assim que Jesus viveu. Os Evangelhos falam-nos muitas vezes da sua misericórdia, da sua capacidade de participar na dor e nas necessidades dos outros: compadece-Se da viúva de Naim, chora pela morte de Lázaro, preocupa-se com as multidões que O seguem e não têm que comer; compadece-Se sobretudo dos pecadores, dos que caminham pelo mundo sem conhecerem a luz nem a verdade. Ao desembarcar, viu Jesus uma grande multidão e compadeceu-Se deles porque eram como ovelhas sem pastor.
Quando somos verdadeiramente filhos de Maria, compreendemos essa atitude do Senhor, torna-se grande o nosso coração e ficamos penetrados de misericórdia. Doem-nos então os sofrimentos, as misérias, os erros, a solidão, a angústia, a dor dos outros homens, nossos irmãos. E sentimos a urgência de ajudá-los nas suas necessidades e de lhes falar de Deus para que saibam tratá-Lo como filhos e possam conhecer as delicadezas maternais de Maria.
Cristo que passa, 146


Artigos relacionados

Vídeo

Papa Francisco na audiência geral: Deveríamos ajoelhar-nos diante das famílias pobres

Vídeo (Rome Reports). Perante uma grande multidão de peregrinos, o Papa anunciou o começo de um novo ciclo de catequeses centrado nos problemas que ameaçam as famílias.

Documentos

Etiquetas em São Josemaria