InícioTestemunhos
Testemunhos

Minha filha, não me tires mais fotografias, e reza por mim!

Helena Serrano, Roma, Itália

1 Janeiro 2009

Helena Serrano é de Córdova e radicou-se em Roma. Viveu e trabalhou mais de 20 anos muito próximo de São Josemaria. Durante esse tempo, com o estímulo do fundador do Opus Dei desenvolveu uma especial aptidão para a fotografia; recolheu em testemunhos gráficos parte da história do Opus Dei.

[continuar a ler...]

Para reconstruir o Líbano

Juliana Aljure, arquitecta, Beirute, Líbano

1 Janeiro 2009

Os traços libaneses de Juliana são patentes, mas o seu árabe um tanto lento confunde as pessoas. Ela pressente a pergunta no olhar e adianta:

Os meus avós emigraram de Kfour el arabi para a Colômbia nos inícios do século passado, os meus pais incutiram em nós um grande amor à sua terra, e eu decidi regressar à pátria dos meus antepassados em 1997.

[continuar a ler...]

Lições práticas de cristianismo

Abraham Thomas, Nova Deli, Índia

1 Janeiro 2009

Gosto de descrever os seus ensinamentos como “aulas práticas de cristianismo”. Pega em temas simples, que expõe de forma muito agradável. O seu raciocínio, apresentado como numa conversa, leva a fazer propósitos concretos, o que torna os seus livros num bom guia para a meditação.

Finalmente sou feliz

Irina Sapronova, professora de russo na Universidade Nacional do Cazaquistão

1 Janeiro 2009

Pertenço à geração que viveu a infância, a juventude e a primeira maturidade entre os anos 60 e 90, durante a época da União Soviética.

É muito importante, para compreender a minha geração (e não só a minha), afirmar que nos tinham tirado a possibilidade de conhecer a Deus, de estar com Ele, de acreditar n’Ele.

[continuar a ler...]

Da Indonésia

Uma devoção universal

1 Janeiro 2009

Poucos dias antes do Natal estive na Indonésia a fim de participar na festa dos oitenta anos da minha Mãe. A celebração da sua longa vida foi como que um ‘retiro espiritual familiar’, com Missa, palestras de um sacerdote, cânticos, e orações durante dois dias. O local em que se realizou este ‘retiro’ foi uma casa de retiros, com capela e tudo, no meio de montanhas. Causou-me grande alegria ver que, durante estes anos de ausência, não sei bem como nem quando, muitas pessoas da minha família são agora católicas: primos e suas famílias inteiras, cunhados das minhas irmãs, etc. Nesse mesmo local conheci também um sacerdote polaco já idoso, missionário do Verbo Divino, que vive desde há 42 anos na Indonésia. Nutria uma grande admiração por São Josemaria e pelo Opus Dei, mas nunca tinha tido oportunidade de conhecer alguém do Opus Dei, porque vive num lugar recôndito, do Leste da Indonésia, num local perdido onde nem sequer há boas comunicações telefónicas, e por isso nem ligação à Internet, nem nada. Fez-me muitas perguntas sobre o Opus Dei. Depois, deu-me alguns exemplares de pequenos livros que escreveu, em Bahasa Indonésia (a língua daquela região), sobre Nossa Senhora, o Sagrado Coração de Jesus, os anjos, orações, etc. Quando comecei a lê-los deparei com muitas frases e citações tiradas de Caminho (Jalan, em Bahasa).

A mudança do meu marido

Kay Kiernan, dona de casa, mãe, avó e bisavó, Irlanda

1 Janeiro 2009

O meu marido morreu já há vários anos. Tinha problemas com a bebida e a sua situação era difícil para todos. Quando entrei para a Obra ele não entendia a minha vocação e, durante algum tempo, ele não queria que assistisse a meios de formação cristã que a Obra proporciona. O que fiz então foi colocar essas dificuldades nas mãos de São Josemaria.

[continuar a ler...]

Aos sábados de manhã, catequese

Marcelo Sheppard, estudante universitário, Uruguai

1 Janeiro 2009

Alguns estudantes vão ensinar catecismo a crianças e adolescentes em bairros da periferia de Montevideu. E, com o passar do tempo, além de recordarem episódios, tomam consciência que quem sai mais beneficiado com estes encontros são eles próprios.

[continuar a ler...]

As coisas verdadeiramente valiosas na vida

Horacio Vilaró, empresário e pai de família, Uruguai

1 Janeiro 2009

Para quem não a conhecer, Sofia nasceu a 24 de Dezembro de 1983 e, poucos dias depois, faleceu a sua mãe. A partir de então, com os avós maternos e com o apoio de uma família numerosa e muito solidária, enfrentei uma nova realidade. Seis meses mais tarde, soube que Sofia tinha uma doença incurável que lhe iria enfraquecendo os músculos e que a sua vida seria inevitavelmente curta, embora sempre tivesse acalentado a esperança de que não fosse tão curta. Alguns diziam-me: que peso para ti! E foi ao contrário: Sofia, cujo nome significa sabedoria, tornava-nos a todos as coisas mais fáceis, pois com a sua fortaleza e forma de encarar a vida e as suas dificuldades, era um cabo ligado à terra que nos recordava por onde passam as coisas de real valor nesta vida.

[continuar a ler...]

Optimista até à medula

Alexandr Zorin, poeta e membro da União Russa de Escritores, Rússia

1 Janeiro 2009

Escrivá rejeita o cliché segundo o qual a vida de família e o trabalho são duas esferas que se excluem mutuamente, de que supostamente saímos esgotados, como limões espremidos. Optimista até à medula, este autor de best-sellers cheios de lições úteis, recordou-nos no século XX que a vida pública e privada se pode transformar num serviço e defende com a sua doutrina os valores mais elevados na nossa caminhada para a vida eterna. Não é mera casualidade que a Obra tenha milhares de membros por todo o mundo.

[continuar a ler...]

A partir do momento em que me pus sob a sua intercessão…”

Tive de me dirigir ao Ministério da Agricultura para resolver alguns assuntos relacionados com a minha actividade de agricultor. No Ministério, enquanto procurávamos a pessoa com quem íamos estar, encontrámos providencialmente Luis Eugenio que reparou nas minhas mãos e perguntou-me o que é que eu tinha.

1 Janeiro 2009

Em princípios de Novembro de 1992 tive de me dirigir ao Ministério da Agricultura para resolver alguns assuntos relacionados com a minha actividade de agricultor. No Ministério, enquanto procurávamos a pessoa com quem íamos estar, encontrámos providencialmente Luis Eugenio Bernardo Carrascal, engenheiro agrónomo que trabalha no Ministério, que nos atendeu muito amavelmente, enquanto esperávamos pela pessoa que tínhamos ido ver.

[continuar a ler...]